História dela.

O batuque era tão forte que o peito dela parecia rasgar...
Quando ouvi ao telefone que ela já não era mais só, quase saltei!
Era, definitivamente, a última notícia que esperava.
O telefone tocou tão inocentemente, como das outras vezes...
Era ela!
Ainda era a mesma!
Mas como podia?
Era tão... diferente!
O susto só não foi maior que a alegria.
Era tão feliz ouvir tamanha felicidade.
Por um momento, tive até inveja, mas era mesmo tão feliz aquilo tudo!
E foi.
Durante algum tempo, eu até esqueci que o que estava acontecendo era
tão novo pra ela quanto para todos ao seu redor.
Mas era tão... normal.

Não sei se foi o tempo, as coisas ou as pessoas.
O que eu sei é que o batuque cessou.
O telefone tocou um pouco mais que o habitual.
...

Ela é feliz.
O telefone ainda toca.
O batuque vai voltar.
Ainda tem carnaval.

2 comentários:

luciana disse...

''Ela é feliz.
O telefone ainda toca.
O batuque vai voltar.
Ainda tem carnaval.''

Julyanne de Bulhões disse...

:D

Postar um comentário